O Velho

Caminhando...

quarta-feira, novembro 12, 2008

O Lótus - Capítulo III

A Raiz dos Espíritos

 

- Mestre! - sussurrou Naró.

 

Após acordar, se viu amarrado pelos pulsos ao lado de Atisuanã que, por sua vez, também estava, só que pelo tornozelo esquerdo. Não havia sinal de Quityambó. Apenas um jovem fazia a guarda dos dois, mas estava dormindo encostado na mesma árvore que os suspendia.

 

- Mestre! Está acordado?

 

O velho curandeiro continuava inconsciente. Naró suspirou e olhou para o céu. Estava escuro, apesar de ainda ser cedo. Nuvens negras ocultavam o sol.

 

Lembrou-se de uma cena semelhante, acontecida pouco antes do primeiro caso de morte silenciosa. Havia saído para a floresta, atrás de um agrado para o mestre. Como sabia que ele gostava de chás amargos, aproveitou para procurar algumas folhas com essas características. Juntou três tipos e mascou-as para experimentar o sabor, mas engasgou e acabou por cuspí-las. Se havia algo que Naró não entendia no Mestre, era esse gosto estranho.

 

Acendeu uma fogueira e passou a cozinhar as folhas com pedras retiradas do fogo. Colocava-as dentro da cuia com água,  onde elas estavam. De repente, uma sombra pairou no céu. Eram as nuvens, rapidamente roubando toda luz ao redor. Não chegou a chover, apenas ventou muito. Uma cena rara.

 

À noite, trouxe o chá para o Mestre, que experimentou satisfeito.

 

- Minha gratidão, filho. Fez uma boa escolha. A folha de socó faz bom matrimônio entre as outras duas.

- Matrimônio?

- Sim. Dois opostos não permanecem juntos. É preciso um terceiro elemento.  A criação parte do três. Dois opostos e um neutro. É assim, sempre foi. Há grande riqueza nesse ensino. - Disse, com seu sorriso tipicamente sereno.

 

O discipulado de Naró era empírico. A ciência interior. Atisuanã guiava sem que, muitas vezes, o aluno soubesse. O ensinou que toda a natureza exibia a verdade absoluta de todas as coisas. Bastava silenciar, enxergar e ouvir para entender. Tudo estava em todas as partes. No grande residia o pequeno. No pequeno, alí encontraria o grande. Um grão de areia concentrava todo o conhecimento do universo.

 

E, nesse empirismo, buscava sintetizar a idéia do céu novamente obscurecido, pendurado ao lado do mestre. Alguma nova lição havia de ser aprendida.  Depois de muito esforço, acabou adormecendo.

 

______________

 

Os raios de sol do novo dia atingem o rosto de Naró, fazendo-o despertar de seu sono tranquilo no chão da floresta. Como pode ter dormido tanto, a ponto de só acordar depois do sol? Tentou se levantar. Uma dormência nas pernas o fez cair de lado.

 

- Que olor é esse? - Pensou.

 

Era um perfume familiar. Levou alguns instantes para se lembrar da flor de Lótus guardada em seu Jamanxim. Rapidamente, arrancou-a de dentro e lançou-a à distância.

 

- Porque é que as plantas de cura sempre me pregam essas brincadeiras?

 

Lembrou-se da folha amarga desconhecida usada erroneamente na ferida da mão esquerda. Por sinal, já não estava tão inchada como no dia anterior. Uma leve dor de cabeça na parte frontal da testa, acima dos olhos, incomova um pouco. Estava difícil se erguer.

 

- Coragem! - clamou para si mesmo.

 

Sentiu uma onda de energia percorrer-lhe a espinha. Ficou de pé em dois tempos. Decidido a buscar orientação superior, começou a preparar o ritual do chá da raiz dos espíritos. Para isso era necessário acender uma fogueira, o que fez com facilidade.

 

Fechou os olhos, com as pernas cruzadas, a garrafa de chá entre elas e iniciou o canto para chamar os espíritos protetores da mata.  Bebeu então parte do líquido sagrado e procurou manter sua atenção no crepitar do fogo. Olhos fechados, atenção firme, determinação também. Para se encontrar com os grandes seres, necessitava se manter sério e flexível. Precisava ser forte e terno.

 

Pouco depois de sentir um formigamento pelo corpo todo, viu-se fora dele. Como já estava acostumado a fazer quando viajando no plano astral, dirige-se ao fogo para eliminar qualquer impureza agregada e agradecer a Tupã.

 

- Filho...

 

A voz de Atisuanã era reconfortante. Normalmente, andava com um cajado para apoiar na caminhada que a idade já tornara difícil. No entanto, estava bem ereto e saudável, sem nenhum suporte além das próprias pernas. Mas seu sorriso afável havia dado lugar a um semblante um pouco mais rígido.

 

- Grande Mestre! O Lótus! Eu o encontrei, é magnífico! Mas seus efeitos não foram como esperado... O que fiz de errado?

- O Lótus principal já foi encontrado, meu filho. A importância das coisas não reside nas coisas, e sim na infinita combinação de vontades. A borboleta não é nada sem a flor, mas a borboleta não é a flor.

- Mestre! O que preciso aprender?

- Volte para a tribo. Não devia tê-la deixado. É preciso receber os segredos da raiz dos espíritos.

- Mas quem irá me ensinar?

- A grande mãe será sua orientação. Olhe à sua volta. Ela o envolve em seu abraço. Vou ensiná-lo a curar, mas ainda há lacunas em seu aprendizado. Graças a Tupã, temos a raiz dos espíritos. Sem ela, todo a ancestralidade estaria perdida. Use o que ainda tem com sabedoria. Mantenha a esperança. A cada novo encontro, ensinarei uma palavra de poder, para ser usada nas horas de necessidade. A primeira, você já usou hoje. A cada novo uso, uma virtude crescerá mais forte em você.

- Que palavra é essa, mestre? Não me recordo.

- Elimine a ansiedade e lembrará. Mas essa é outra lição. Por agora, apenas ouça a grande mãe que cuida de ti. Ela é a manifestação do amor de Tupã.

 

O mestre desaparece no ar. Naró entendia a necessidade de voltar. Precisava aprender a fazer o chá, mas apenas Atisuanã poderia lhe ensinar. Com o tempo, aprenderia a se consultar sem a necessidade da raiz dos espíritos, mas esse tempo ainda não havia chegado. Era preciso poupar o líquido da garrafa para esse momento, e não havia margem para erro. Começou a sentir a necessidade de voltar ao corpo. Então, um brilho, pela terceira vez, o chama a atenção na mata. A mesma bela mulher, agachada, regava algumas pequenas flores com suas lágrimas e as acariciava com seus cabelos. Cantava-lhes uma doce canção, enquanto elas pareciam procurar por sua voz reconfortante. A presença de um amor ancestral era evidente e um único refrão, sem pressa, era repetido:

 

" E a terra era criancinha ainda

Quando eu comecei a te amar"

 

Ainda cantando, levantou a cabeça e olhou na direção de Naró. Seu sorriso parecia mais intenso agora, como o de uma mãe feliz por ver seu filho descobrindo o mundo. Reparou mais uma vez nas flores e uma delas lhe chamou a atenção. Pequenina, quatro pétalas e miolo dourado. Sim, Naró compreendia agora. Ele havia sido aquela flor.

 

______________

 

A noite já ameaçava obscurecer a terra. A lua estava iniciando sua forma invisível, quando não iluminava mais o céu, restando apenas as estrelas para mostrar os caminhos. Os poucos raios de sol ainda permitiram que Naró fizesse mais um esforço para se soltar da árvore-cativeiro. Sua preocupação era com o balançar do galho. Temia que o mestre caísse com a cabeça no chão.  Depois de cuidadoso esforço, o discípulo de Atisuanã consegue se libertar, caindo de uma altura duas vezes a de seu tamanho. Sentiu uma dor aguda na mão esquerda, e reparou que um corte profundo havia sido feito pelo cipó que o aprisionara.

 

Olhou para o Mestre. Não conseguiu perceber se ele respirava. Além disso, estava muito alto para arriscar derrubá-lo de cabeça no chão. Olhou para o rapaz que montava guarda. Ainda dormia. Decidiu então fugir. Precisava de tempo para refletir sobre tudo o que acontecera.  Correu na direção da mata e, conforme seguiu, começou a ouvir um barulho curioso, que só se fazia aumentar. Após contornar uma grande pedra, parou horrorizado com a visão que teve: Corpos amontoados, urubus, moscas, uma cena degradante. Sem conseguir tirar os olhos, apesar do nojo que sentia, Naró foge, de costas e encarando aquela cena horrível, em direção à mata. Poucos passos depois, tropeça num cesto qu estava no chão. Vira-se, assustado, e corre, desaparecendo no interior misterioso da floresta sem fim.

 

 

 

(continua, toda quarta-feira, as 11h da manhã)

16 Comments:

Blogger Kari said...

Ansiosa para a próxima quarta...
Muito boa essa hisória, viu?

Beijão!

13:31  
Blogger Kari said...

Então tá!
A minha crítica é só que tu sempre acaba nas parte mais mais...
Mas tudo bem... Eu sei que isso é marketing... heheheheh

E ei... Não vou sugerir nada não moçinho, pois estou amando o desenrolar das coisas e não quero me intrometer... ;)

Beijão!!!!!!

15:21  
Blogger ALF said...

Que história envolta a magia. Maravilhosoa maneira escrita, o enredo, semelhantes aos contos indígenas. Muito bem escrito. E é tão envolvente quanto um filme.

Quero ver a continuação.
;)

Abração

ps: Obrigado pela visita ao meu blog. Volte sempre.

20:52  
Blogger CsO said...

Pois é... lindo mesmo... pirei quando vi! E vc e seus textos sempre inspiradores e repletos de luz, não? Eu estou na caminhada, com algumas pedras novas muito chatas, mas... fazer o quê, né? hahaha Saudades de vc! Precisamos nos ver!!!!

Beijos

22:32  
Blogger Simplesmente *Ana* said...

Meu bem amado companheiro


Estou gostando cada vez mais...

Não consigo encontrar críticas, nem sugestões, só tenho elogios!!!!
me deu uma raiva eu estava lendo lendo lendo toda empolgada e de repente leio...
(continua,toda quarta-feira,as 11h da manhã)rrsrsrsrsssss
fiquei mais curiosa para saber a próxima parte!!!!
Tem umas frases que gostei muito também, só que depois eu leio contigo e falo pessoalmente é melhor!

Acho que sou uma namorada meio coruja rsrrsss
admiro seu talento!

beijos bem carinhosos para ti meu amor!!!!

Te amo Te amo Te amo!!!!

09:17  
Blogger Codinome Nane said...

Oiê ...

História fascinante , cada vez mais empolgante , não dá vontade de parar de ler ....

Adorei a parte :
O Lótus principal já foi encontrado, meu filho. A importância das coisas não reside nas coisas, e sim numa infinita combinação de vontades. A borboleta não é nada sem a flor, mas a borboleta não é a flor.

Até Quarta -Feira ..

BJOs

22:27  
Blogger Divinius said...

Muito bom mesmo...
:)

17:57  
Anonymous Alma Poeta said...

Vim só retribuir sua visita e me deparo com esta história fascinante aqui no seu cantinho.
Foi muito bom ter vindo, lido e gostado...assim virei mais vezes para saber a continuação..hehehe.
Meu querido, obrigada mesmo pela visita ao meu humilde blog e quando digo que virei mais vezes, pode acreditar ok?
Um grande beijo e até mais...
Serena.

20:33  
Blogger Abraão Vitoriano de Sousa said...

bom demais! passarei mais vezes por esta estrada...rs

01:49  
Blogger Cynthia Lopes said...

Aí meu Véio, esta estrada não tem fim, só um novo recomeço... adorei!!! Ói, deixei um presente pr'ocê no meu blog... vc vai gostar (espero!) rsrsrs

14:16  
Anonymous Anônimo said...

Olá amigo!
Dizem que os melhores contadores de história guardam consigo o segredo para manter seus leitores sempre atentos e presentes!
Bom, são poucos os que conseguem, mas vc com certeza tem o dom!! rsus
Mt legal!
Uma semaninha iluminada e cercada de mt amor e carinho!
Que as taças ciganas do amor brindem sempre o encontro de vocês dois!!
Bjos doces d luz no coração, amigo!

Bruxinha da Noite

00:03  
Blogger Jasmim said...

Olá, confesso que ainda não tive tempo para ler quase nada aqui... mas sinto que vou gostar...

Passei para agradecer a visita ao meu "canto deserto".

Beijo doce

12:10  
Blogger Jhow Carvalho said...

Oi edinho tudo bem?....
Nossa muito bom o seu conto adoei abraços?...

12:32  
Blogger Serena Flor said...

Passando pra te desejar um lindo dia meu amigo!
Um beijo...serena.

07:57  
Blogger Mr. Ziggy said...

Caramba, depois quero voltar aqui pra ler tuas coisas com calma. Fiquei curioso. Em breve deixarei vestígios e tal. Abraço!

10:50  
Blogger Shin_Tau said...

Bom...mais um passo em frente!

Desta vez senti-me enebriada pelas sensações que Naró teve, os cheiros ganharam vida e sairam do ecrã através da tua escrita criativa e muito bem dirigida.

Gostei particularmente da simplicidade com que nos ofereces os ensinamentos "Um grão de areia concentrava todo o conhecimento do universo."

Hoje vou ser ousada e ler mais um capítulo!!!
até já

16:54  

Postar um comentário

<< Home